sábado, 30 de maio de 2009

Pausa Para Subir.

Olhos no mar, pernas desgovernadas e coração na boca. Lembro da liberdade e da euforia que me acompanhavam morro abaixo na praia de minha infância.
Era a melhor hora do dia. Ao pé da duna a queda era previsível e a areia que me cobria o corpo inteiro ia embora nos mergulhos quase infindáveis que terminavam com o chamado insistente de minha mãe.
Haja esforço para subir o monte de areia escaldante, mas fazia parte da farra e eu chegava em casa com o apetite dobrado. Depois do banho para tirar o sal, desfrutava almoço e sobremesa sem contar calorias.
Hoje o morro do qual falo virou hotel onde a recepção é no andar de cima. Apartamentos, auditórios e área de lazer localizam-se nos pisos inferiores.
O mar continua no mesmo lugar, mas de certa forma aquela construção bonita dá-me a impressão de ver o mundo de cabeça para baixo.
O progresso mudou tudo por lá. O tempo agiu em mim. Todos os dias crescem degraus na minha praia e na minha vida.
Alguns, alcanço com o fôlego da menina de antes, outros me parecem íngremes demais para subir e ainda há aqueles não me inspiram segurança.
É preciso avançar. Daqui a pouco estarei um degrau acima, mas quero uma pausa aqui onde estou. Tomarei uma água de coco enquanto esqueço meus olhos no mar.

2 comentários:

  1. Luciana querida como é bom acompanhar-te nesta crônica, sentir tuas lembraças. Sensações da infância brotam à flor da pele
    e o calor da areia nesta tarde de chuva e frio aqueceu-me por inteiro. A finalização é brilhante; Teu olhar arremessou-me ao mar!
    Muito obrigada Escritora, a tempos não lia um texto tão leve, bem escrito e conciso . abraços afetuosos, virgínia f além mar

    ResponderExcluir
  2. Belíssimo texto, querida! Virgínia tem razão! Leve, delicioso!
    Grata por estar conosco. Beijos

    ResponderExcluir

"A crônica é um gênero que apresenta dupla filiação, já que o tempo e o espaço curtos permitem o tratamento literário a temas jornalísticos. Tem do jornal a concisão e a pressa e da literatura, a magia e a poeticidade que recriam o cotidiano."

(Maria Lúcia da Cunha Victorio de Oliveira Andrade)
...
Grata pela visita! Você é convidado a interagir.
Abraço!

Para correio: discutindo_literatura@yahoo.com.br