sábado, 20 de junho de 2009

A palavra muda.


Não usaremos de palavreados, muito menos diremos impropérios. O problema não é nosso, como me declarou uma sincera amiga. Problema do morro é problema do morro. Mesmo estando acima de nossas cabeças, baixamos os olhos para os teclados do piano, e buscamos a harmonia da Palavra nenhuma, porém em harmônico silêncio.

Staccato!

Quantas fantasias e carros alegóricos estacionados, quantas cabeças de isopores enormes, de olhos vazios, fitando o vazio. Alguém dará um jeitinho nesse lixo, enquanto nos digladiamos para discutir o formato de cabeças leves e de preferência imunes às intempéries do tempo. Conseguiremos mais uma eternidade de olhos no nada.

Breque!

Utilizaremos pontos, traços e pontinhos, racionaremos os hifens, aboliremos os tremas e evitaremos as palavras polêmicas. O problema continuará não sendo nosso, continuaremos construindo bonecos, mas não abriremos mão de nossa máxima:

Muda!

A palavra (é) muda quando escrita no vento.




Carlos Alberto Veiga Muniz
(Car_Litos Veiga)

2 comentários:

  1. Prosa perspicaz. Gostei muito, Car.
    Abraço

    ResponderExcluir
  2. Interessante! Muito interessante! A palavra pode ser muda sim. E por vezes sem fim, o é. Porém, esta mesma muda palavra pode vir carregada de vozes e significados. E a muda palavra muda de lugar no universo azul de noites mal dormidas e sonhos incompletos. Muda a palavra e muda o significado mais mudo da existência humana.
    Parabéns pelo texto. Pena que você não escreva mais como antigamente. A mudança foi radical. Realmente uma pena.
    Fátima

    ResponderExcluir

"A crônica é um gênero que apresenta dupla filiação, já que o tempo e o espaço curtos permitem o tratamento literário a temas jornalísticos. Tem do jornal a concisão e a pressa e da literatura, a magia e a poeticidade que recriam o cotidiano."

(Maria Lúcia da Cunha Victorio de Oliveira Andrade)
...
Grata pela visita! Você é convidado a interagir.
Abraço!

Para correio: discutindo_literatura@yahoo.com.br