quarta-feira, 15 de julho de 2009

Falar do Beijo Sonhado




Falar do Beijo Sonhado

Luiz de Aquino

“Falava de sonhar com um beijo, / um beijo para se sonhar levitando / e saber-me num campo, / sobre o campo verde, / pairando sobre o verdor da relva e de árvores / onde me sentir protegido / porque ao natural saberei sempre amar mais, / amar demais / e demais me entorpecer dos teus lábios” / (...).

Era eu a poetizar um sonho, não me lembro se onírico ou da materialização de alguma Musa. Escrevia ao teclado, no exercício da mais nova ferramenta de escrita e comunicação que jamais sonhava estar sob meus dedos. Uma amiga, leitora especial, afeita a versos e sentimentos, interrompe-me ao perguntar o que fazia. Lacônico respondi “um poema”. Debalde, não obtive a licença para concluir o texto, mas um pedido: “Posso acompanhar? Passe-me cada verso... Ou cada estrofe”. Optei pelas estrofes.

“Um beijo para estrear-me aos teus olhos, / ao teu calor, / ébrio da tua pele / e sujeito a me queimar ante teu olhar. / Beijo de expectativa plena, / beijo de excitar sempre, /provocar o não-medo do cotidiano, das convenções. / Despertar a inconseqüência, / o non-sense, a coragem maior
de te absorver de todo, / te desejar para a eternidade do instante, / para a ternura do sempre.”

Iara retornava sem comentário crítico. Preferia duas ou uma palavra com interjeição. E assim, passei-lhe, uma a uma, e sem revisão, cada estrofe concluída.

“Pouco importa se estamos de peles nuas, / pouco importa se meus pés buscam os teus, / que beijarei como se lábios fossem. /... / Pouco importa se nossos sexos se atraem / e se buscam e se completam. / Pouco importa os orgasmos simultâneos, / os que em ti me antecedem.
Pouco importa / se o desejo satisfeito exige amanhãs. / Importa, sim, que te beijo de lábios, / te tenho em contato, / te sorvo em salivas e licores
os mais íntimos, agridoces e inesquecíveis. / (...) / Importa sim que te beijo. / Eros eu era, como quero ser. / E me és Afrodite. / Os veios / do amor assim liberto / alimentam desejos e anseios / para todos os dias advindos. // Importa, sim, que,
al primo incontro, / havemos de nos beijar”.

Esse poema publiquei-o no livro “Sarau”, em 2003. Aqui, substituí alguns trechos por reticências entre parênteses. O importante, hoje, não é o poema em si, mas o fato de construí-lo, ainda que interrompido por uma amiga muito querida que jamais conheci pessoalmente. Discorríamos sobre coisas de Goiás (ela era vila-boense, de família tradicional). As chances que nos demos para o encontro sempre fracassado ainda estão na minha memória, e a esperança me diz que a encontrarei, sim, do lado de lá, e sem dúvida declamaremos em dueto o poema que, ao dar por findo, foi selado com uma expressiva frase de duas palavras (dela): “É meu!”.

Concordei... Meus eram o sonho e o poema em letras, palavras e estrofes. Dela, o momento. E fundimos nossas posses, porque o sonho sugeriu o texto, o momento o possibilitou.

É nosso, sim, Iara! Sonhemos mais.

Luiz de Aquino (poetaluizdeaquino@gmail.com) é jornalista e escritor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

"A crônica é um gênero que apresenta dupla filiação, já que o tempo e o espaço curtos permitem o tratamento literário a temas jornalísticos. Tem do jornal a concisão e a pressa e da literatura, a magia e a poeticidade que recriam o cotidiano."

(Maria Lúcia da Cunha Victorio de Oliveira Andrade)
...
Grata pela visita! Você é convidado a interagir.
Abraço!

Para correio: discutindo_literatura@yahoo.com.br