quinta-feira, 30 de julho de 2009

Há Gosto II



Já há neblina em torno da lua, bem queria sair alguns dias, passear ao sol, ficar à toa na rua e esquecer de noites tão frias .Resguardo-me em raiz, preparando as flores do porvir, mas treme em branco a folha sem versos, enquanto as mãos ocupam-se do chá.A previsão é de mais chuvas meus amigos e, eu não tenho mais um cão a esperar-me com a alegria que faz esquecer que agosto é chegado.


Foi no dia quatro, de um agosto que, sem gosto, meu pai se foi, deixando vazia minha boca de palavras e a chapa do fogão...Eram bons tempos aqueles de inverno, retornávamos da viagem de férias e ele reunia amigos na cozinha de fora onde havia o fogão rústico à lenha , para vinho, estórias, risadas e cozido de peixes. Enfiava-me entre eles, como mais uma mascote , fazia de tudo para penetrar as reuniões, xeretar as conversas instigantes que versavam sobre os mais diversos assuntos.


Tudo era quente e incrivelmente vivo naquela casa, quando era ainda criança; No jardim enorme, os bancos ao sol, as frutíferas, o telhado pelo qual adorava transitar... Havia também um gato vagabundo de pelo listrado, ou era uma gata? Como o cão pareceu e foi ficando ganhando nossa admiração.


Vai chover e, não quero molhar os pés nas poças de ausências, desejo um amanhã com o sorriso dos tempos de sopa de peixe e pão quentes e, se possível, um livro de estória para colorir e acordar as sementes do amanhã.
virgíia fulber , Terapeuta em ofício e além mar Poetinha -

9 comentários:

  1. Que delícia acordar e tomar café na sua companhia, querida! Que beleza de texto! Muito grata. Beijos

    ResponderExcluir
  2. Luciana compartilhar contigo é reconfortante, muito obrigada minha amiga,
    abraços

    ResponderExcluir
  3. Virgínia além mar...
    Minha querida poeta jardineira
    Em teus versos saudades são asas
    num canto de passarinho
    Faz florescer em nossos sentidos
    gorjeios divinos de uma bela sinfonia
    Ao papai envio pelas estrelinhas a mais pura energia agradecida pela poesia linda que nos deixou chamada Virgínia

    Grata pelo presente Magnífico dessa
    tua postagem...deixou meu sábado mais rico e encantado manamiga Vi
    IMAGEM LINDA E ACOMCHEGANTE..ADOREI!

    Beijinhos de carinho ensolarado
    para te aquecer e fazer feliz
    da Li que te quer muito bem e te
    admira mais ainda

    ResponderExcluir
  4. LI com grande gosto seu texto, embora o mês, para minha família, seja de desgosto (quase todos morrem em agosto). Mas a ternura e a simplicidade que costumam despir-nos as almas, quando lemos suas palavras, deram ao mês aziago o calor de belas lembranças e o fez menos cruel. Beijão e obrigada.

    ResponderExcluir
  5. Que belo texto com gosto e cheiro de poesia, Vi. Parabéns!!

    ResponderExcluir
  6. Minha querida Poetamiga Li Andorinha como é doce tua poesia , douras as frutas do pomar , regas com ternura os jardins d´alma , muito obrigada por tua compreensão neste e em todos momentos compartilhados, tua amizade é ouro e não tem preço,
    amei tua Poesia e gesto de ternura.
    abraços de tua virgínia

    ResponderExcluir
  7. Elenir mestra e amiga querida lamento pelos desgostos de agostos, agradeço por compartilhares teus sentimentos. Alivia-me saber que algumas doces lembranças encontraram em ti ressonância.
    abraços de carinho

    ResponderExcluir
  8. Chris querida muito obrigada por tão gentil leitura , adorável compartilhar contigo vida-Poesia !
    abraços

    ResponderExcluir

"A crônica é um gênero que apresenta dupla filiação, já que o tempo e o espaço curtos permitem o tratamento literário a temas jornalísticos. Tem do jornal a concisão e a pressa e da literatura, a magia e a poeticidade que recriam o cotidiano."

(Maria Lúcia da Cunha Victorio de Oliveira Andrade)
...
Grata pela visita! Você é convidado a interagir.
Abraço!

Para correio: discutindo_literatura@yahoo.com.br