domingo, 5 de julho de 2009

SÃO, SÃO PAULO MEU AMOR...

Avenida Paulista.

O verso de Tom Zé saiu assim... sem querer da minha boca.
Essa música, lembro ainda, venceu o IV Festival da Record, da MPB, em 1968, e era muito cantada nas rádios e programas de televisão, um sucesso naquela época.
Na continuação dos versos o músico faz alusão a infelicidade, mas o sonoro refrão que furtivamente cantarolei, apareceu num repente, nestes primeiros dias de julho, ao me deparar instalada na Avenida Paulista, no coração de São Paulo.

Sem dúvida, é a maior cidade brasileira, com quase 11 milhões de habitantes, a maior das Américas e do Hemisfério Sul, não só em tamanho e população, mas na grandiosidade de sua economia, da sua política e do movimento cultural que ali é disseminado.
E eu vivendo alguns dos seus bons momentos, do seu dia-a-dia.

Pareceu-me que eu era apenas um pontinho no meio da multidão, no centro nervoso dessa grande capital. E no meu caso, da Cultura.
Não estava nervosa, mas sim feliz. Em poucas horas vai acontecer o evento da minha comunidade “Poemas à Flor da Pele”, oriunda do Site de Relacionamento Mundial - o Orkut-, na Casa das Rosas, na avenida Paulista gente!?

Lembro ainda a música de Tom Zé, de que “somos um povo infeliz, bombardeado de felicidade”, viajei na cena do sonho e em pleno paraíso, fui bombardeada de felicidade, aconchegada nos seus braços, fervilhada de calor, de versos e rimas à flor da pele. Que infelicidade que nada...

Avenida paulista

Parece uma lista

Não pára de crescer

Pro alto e gente pra todo lado

E apenas uma turista

Por onde tem andado

Tem sorrisos pra dar e vender...


Hospedada na casa de uma acreana, a Dora, que há muito mora em São Paulo e nessa bela avenida, me proporcionou momentos pra eu me sentir como se estivesse em casa.
Ela e Lúcia, gentilmente me aguardaram no aeroporto, em Guarulhos. Adorei o passeio de carro até a grande avenida, onde pude rever São Paulo, depois de mais de uma década, as cenas ampliaram-se, tem povo pra todo o canto, as ruas cresceram, as elevadas se multiplicaram e percebi que o lugar tomou proporções estratosféricas.
A sensação de pequenez de sempre, me acompanhou por todo trajeto.
Ao chegar acalorada, abri malas abarrotadas de livros e de roupas grossas, quando que lá fora respirava-se um ar de mais de 20°. Segurei, naquele dia quente, os impulsos de ganhar a rua e fazer parte daquela paisagem.
Ao cruzar suas calçadas, com passos firmes saudei-a e transpirei emoção seguida pelos movimentos dos carros, do povo que ia-e-vinha desfilando em suas alas, numa cadência bonita de vida.
Tudo isso encharcou de excitação meu corpo e alma de poeta. Os olhos seguiam e encontraram beleza em tudo que via.Tudo se completava.
Tomei essa rua como minha.
Os grandes prédios, as largas avenidas, as diferentes raças, tudo uma grande redescoberta, eu mais uma vez tão pequena!...Mas já fazendo parte das ondas de seus movimentos.



Casa das Rosas

E nesse séquito cheguei ao lugar mais conhecido do mundo, pelos caminhos da avenida mais famosa, no número 37.
Ela tem uma construção antiga, localizada próxima ao portão, cercada de belos jardins bem aparados, numa casa de altos e baixos, cheia de salões e escadarias - segundo o que li, segue estilos da arte renascença e francesa, de Luís XV, de uma influência greco-romana, ou seja neoclássica-.



Mas, nada disso tem tanto valor como saber do trabalho que é feito no espaço Haroldo de Campos de Poesia e Literatura, reinaugurado em 2004.
Sem preconceitos e totalmente democrático, abre portas para eventos culturais: lançamento de livros, saraus, recitais, peças de teatro entre outras apresentações.




Visitei suas salas, até senti o perfume de rosas brancas que delicadamente caíam sobre nossas cabeças...
Tomei um cafezinho no Café que fica ao lado do prédio, com amigos, que já se aglomeravam para o encontro, a Lucinha, Jorge, Viviane, Fátima, Kedma, Mell e Verluci.
Os bate-papos correram soltos, a energia era muita e entre muitos abraços respirei aqueles ares imponentes, desde que o sol brilhava sobre ela, até o momento em que suas luzes se acenderam: aí era ela quem brilhava.
Foi lindo!

Estava em estado de graça, pela importância de tantos fatores reunidos, num só momento, um lugar especial, celebrando com velhos amigos e conhecendo tantos outros pessoalmente, estes que não mais fazem parte do meu imaginário na internet, agora são reais.
Que dia especial!

Na verdade poderíamos estar até num barracão, mas só o fato de ser na Paulista, no lugar onde os seus responsáveis fazem tudo para promover a arte e a cultura, penso que já é o suficiente.
Graças a essa política nosso evento, tão bem coordenado por lindas mulheres, pessoas da melhor qualidade, Dora Dimolitsas e Lúcia Gönczy, abençoadas por Frederico Barbosa, Diretor da Casa, o inesquecível dia 1º de julho, de 2009, às 19 horas, ficará gravado pra sempre em suas paredes e nas nossas memórias.

Deixamos ecos de arte, de poesia, de música, aliados à alegria e amizade de todos que por ali passaram e que por momentos tivemos o privilégio de receber.
Tudo foi de uma beleza ímpar e se os donos da casa não informassem que já estava na hora de fechar, ninguém ia embora.
O encontro foi até 22h30min, uma hora além do previsto, prestigiado por poetas e escritores, músicos, performistas e artistas que emprestaram seus talentos a essa comemoração de 3 anos de criação da Poemas à Flor da Pele.
O sucesso, atribuo a dedicação dos que coordenaram e àqueles que participaram com o seu melhor, mesmo que por breves momentos, deixaram nos nossos corações a marca da beleza da poesia, nas mais diversas manifestações.
Sucesso mesmo, só por ter acontecido nessa mágica Casa das Rosas, no memorável espaço Haroldo de Campos, na Avenida Paulista, na cidade de São Paulo, no Brasil, no planeta terra.


São, São Paulo meu amor... Obrigada!


27 comentários:

  1. Soninha, querida, você vivi uma experiência maravilhosa como a sua na ocasião do sarau Ciclo das Chamas, em homenagem ao querido Poeta Antonio Lázaro de Almeida Prado, na Casa das Rosas. Que lugar singular! Você traduziu meu encanto com a Paulista, com a hospedagem na casa da minha amiga Fernanda de Almeida Prado. Fiquei emocionada com seu texto.
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Correção

    Soninha, querida, vivi uma experiência maravilhosa como a sua por ocasião do sarau Ciclo das Chamas, em homenagem ao querido Poeta Antonio Lázaro de Almeida Prado, na Casa das Rosas. Que lugar singular! Você traduziu meu encanto com a Paulista, com a hospedagem na casa da minha amiga Fernanda de Almeida Prado. Fiquei emocionada com seu texto.
    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Querida amiga Luciana.
    Agora creio que a crônica tomou a forma que eu gosto, custei a acertar as arestas. Mas foi realmente um lindo momento o que vivi em São Paulo! Estou nas nuvens! Beijus e obrigada pelo carinho!

    ResponderExcluir
  5. Nós, da Casa das Rosas é que agradecemos tanto à Soninha quanto à Luciana.
    Beijos,
    Fred

    ResponderExcluir
  6. Fred, prazer enorme ter vc nessas nossas páginas! Obrigada!

    ResponderExcluir
  7. Querida amiga Soninha,

    Amiga, companheira, solidária, Poeta de primeira linha. Conheci em Bento no ano de 2007 e de lá pra cá meu coração ficou amarrado de forma atemporal.
    Fiquei comovida com seu texto, porém, somos
    nós que agradecemos o privilégio da sua companhia. Pode crer que todos aqueles que abrilhantaram nossa festa, de forma tão amorosa; cuja entrega foi, literalmente, sem fronteiras, já estão do lado de dentro. Pulsamos juntos!

    Conte sempre comigo,

    Lúcia Gönczy

    ResponderExcluir
  8. Ah...o evento da Casa das Rosas foi corado por anjos.O Local esteve iluminado,abençoado.Tinha realmente POEMAS À FLOR DA PELE.O sorriso da Soninha era como uma estrela que contagiava de alegria aquele local, aquele momento...Fikou a boa lembrança e a vontade de quero mais!
    Em tempo: São Paulo é do tamanho exato pra se caber no coração!
    Bjs

    ResponderExcluir
  9. Querida amiga Soninha, ao ler aqui esta sua crônica-relato, viajei também contigo nessa mesma emoção. Parece que eu estava vendo e vivenciando todos os momentos evocados, a cidade cosmopolita onde tudo é tão fremente, mas ao mesmo tempo tão vivo...
    Que bom que você viveu estes momentos e os compartilhou conosco,seus amigos, que por um motivo ou outro não puderam estar presentes, fisicamente,embora estivessem em pensamentos.
    Soube, por você por mais amigos presentes,que fui lembrada durante o evento e isso para mim é motivo de imensa alegria e orgulho. Recebo este carinho como uma grande homenagem e, se já os tinha em alta estima: todos vocês que lá estavam, agora então solidifico mais ainda essa amizade, que é feita de prosa e verso e dessas pequenas-grandes delicadezas que fazem da nossa vida um jardim digno de ser apreciado. Parabéns Soninha, Dora, Kedma, Lúcia, Jorge Luiz, Verluci Mell e todos os outros amigos que coloriram a Casa das Rosas nesta noite inesquecível. Um beijo enorme.

    ResponderExcluir
  10. Tomei essa rua como minha.
    ah! Soninha querida Poeta quanto de recordações provocaste nesta tua crônica tão emocionada... Imagino a beleza deste encontro, muito feliz por todos vcs. pela Casa dos Poetas e das Rosas, abraço-te grande e afetuosamente.

    ResponderExcluir
  11. Soninha querida o trabalho e os eventos que venho realizando na Casa das Rosas com a ajuda das Coordenadoras do Nucleo do Proyecto cultural/Sur/Paulista, Lucia Gonczy, e Fatima Queiroz,do qual sou a Coodenadora geral em São Paulo, é um trabalho de intensa gratificação.Cada lançamento,cada homenagem,ou cada Sarau que organizo e realizo na casa,meu coração abraça e é abraçado com tanta intensidade que fico uma semana sorrindo de alegria, alegria por um trabalho realizado com o envolvimento de tantos amigos.Meu aprendizado nesta Casa é diario, e cada curso que participo fica sempre o desejo de continuar aprendendo.
    As pessoas da Casa, carinhosamente empenhadas, fazem de nosso trabalho um sublime momento, o Diretor Frederico Barbosa
    com seu calor, nos envolve com todo carinho.
    nos permitindo desenvolver um trabalho com total desprendimento e calor,envolvendo e abraçando com emoção todos os participantes.
    Coordenar o Evento da Poemas a Flor da Pele criado por nossa querida amiga Soninha Porto e abraçado por todos os amigos na Casa, foi motivo de grande alegria e intesa emoção.
    amigos que se deslocaram de tantos lugares, como Brasilia, Rio de Janeiro,Rio Grande do Sul, Minas Gerais,e das cidades visinhas como Ribeirão Preto, Santos Praia Grande, enfim de tantos lugares, tudo me da a sensação de um grande abraço, motivando e permitindo um trabalho com maior empenho e amor,e intença responsabilidade, o qual sinto ter sempre em todos os momentos conlcuido com total satisfação e alegria.
    A alegria,e a certeza da satisfação de todos é o que vem coroar de felicidade nosso empenho. Obrigada beijos
    Dora Dimolitsas

    ResponderExcluir
  12. sonia

    tudo o que a dora faz é com amor e carinho, espero que para o ano se repita e que vc esteja presente, foi bom demais te conhecer...
    até a próxima...........bjs

    fátima queiroz

    ResponderExcluir
  13. Soninha querida,
    As vésperas do lançamento da Antologia Alma Brasileira me deixou bastante apreensiva, mas ao ler essa sua crônica meu coração se tranquilizou.
    Pena que não pude estar presente vi as fotos e estão muito bonitas.
    Viagei nos seus sentimentos quanto a São Paulo e me vi passeando de carro pela Av.Paulista essa Avenida é uma das que eu mais gosto lá.
    Sempre digo que sou metade baiana metade paulista, pois amo SP de coração, sou Baiana, de Salvador terra do calor, mas amo passar férias em SP curtir esse friozinho que aqui nunca faz.
    A Casa das Rosas sempre foi meu sonho de poeta e sempre pensei em lançar um livro lá e agora Deus me deu essa benção.
    Parabéns a você e aos coordenadores do evento.
    Aguardo-te dia 22
    Beijos no coração

    Sandra Stabile
    Mentora e Coordenadora da
    Antologia Alma Brasileira

    ResponderExcluir
  14. Lúcia, grande parceira, graças a vc e a luz que emana de teu sorriso e dos teus olhos, este evento está tendo o reconhecimento de todos.
    Obrigada amiga! Conte sempre comigo!

    ResponderExcluir
  15. Mellzinha, anjo é você querida, aquele que está sempre por perto ajudando em todos os momentos, estou feliz demais com teu sucesso e com a tua caminhada pelo mundo poético, te amo e obrigada pelo teu carinho e a tua amizade.

    ResponderExcluir
  16. Basilina, minha linda amiga e poeta.
    O que as meninas Silene, Itamar e Idalúcia fizeram com teu poema "Bom dia Poesia" ficou divino! Por que tu é divina amiga! Nossa grande revelação nos últimos tempos na Poemas, uma escritora de sucesso, Moderadora das boas da Poemas, "brisa"??? Não senhora... Só se for dos teus poemas, ares leves e doces como você.
    beijus.

    ResponderExcluir
  17. Dora, minha doce amiga e poeta.
    Que espetáculo teu trabalho! Parece quem tem rodinhas nos pés...Já sei, não são rodinhas...são asas disfarçadas de um anjo, que está aqui no meio de nós, deixando suas marcas e seu talento em tantos encontros e eventos que realizas.Seu trabalho em hospitais e a atenção com que recebes a todos nessa linda cidade é de emocionar. Obrigada amiga por esta grande parceria. Se a Poemas tem um nome conhecido no país, atribuo ao fato de você ter sido a primeira a acreditar no nosso sonho, obrigada por tudo e por tuas bênçãos a nossa comunidade, desde 2008, realizando o primeiro evento de porte nacional, ai em Sampa, também na Casa das Rosas.Jamais vou esquecer disso amiga!
    Te amo, beijus.

    ResponderExcluir
  18. Sandra.
    Desejo sucesso pra você e que nosso livro seja um arraso, um abraço e obrigada amiga.

    ResponderExcluir
  19. Parabéns pela crônica e pelos momentos vividos em São Paulo, Soninha. A Casa das Rosas, sozinha, já é uma poesia! Desejo a você muito sucesso.
    Beijos,
    Chris

    ResponderExcluir
  20. Esse glorioso momento vivido em SP, se eternizará em suas lembranças, xarazinha! Amei essa sua crônica que retratou com fidelidade tudo que lhe ia n'alma em relação a esse coração do Brasil chamado Sampa!
    Beijão,
    B@by®

    ResponderExcluir
  21. Realmente foi um momento mágico vivido na Casa das Rosas em plena Av. Paulista. Para mim essa esperiência foi única e guardarei sempre no meu coraçao e na lembrança a energia e a vibração positiva daquela noite.
    Parabéns pela cronica e pela Poemas à Flor da Pele.
    Jorge Luiz Vargas

    ResponderExcluir
  22. Fátima, concordo com vc, tudo que faz é com carinho e por isso é uma das nossas primeiras representantes da Poemas no Brasil. Na nossa comunidede respeitamos e acarinhamos nossos amigos.Obrigada por ter vindo ler nossa crônica, vc que foi presença importante nesses nossos momentos.

    ResponderExcluir
  23. Oi Chris, que pena vc tão longe! Mas tenho certeza vibrando com a gente. Agradeço por um dia ter me mostrado também ese belo caminho de arte e poesia, beijus amiga, sucesso pra vc também.

    ResponderExcluir
  24. B@by foi tudo amiga! Só faltou vc com sua alegria para arrepiar mais os momentos. Tudo que é feito com amor amiga, toma dimensões incalculáveis na alma humana.
    Sinto estar fazendo parte de algo importante, é como se estivesse tocando cada pessoa em seus corações e mentes, e ali depositando sementes de amor e poesia. Beijus.

    ResponderExcluir
  25. JOrge querido amigo, sim vc foi o cara que contribuiu para que esta magia fosse perfeita. Saiu de sua casa, em Brasília, com seus livros nas costas e foi com a cara e a coragem conhecer a todos nós. Foi uma honra amigo compartilhar estes belos momentos! Obrigada!

    ResponderExcluir
  26. .
    Somos aos milhões, e de uma única alma que temos, chega à flor da pele dessa maravilhosa grande cidade, na Casa da Rosas, manifesta de nossa melhor disposição, a poesia, quando nos unimos e somos ainda mais extensos que esse nosso chão. Somos toda uma nação, seus anseios e emoções. Uma sensibilidade que se une, faz ver a beleza que somos e o muito mais que ainda podemos ser. Mostra em nós, detalhes que pulsam desapercebidos, como os nossos próprios corações, nossa vida, nosso amor.

    Parabéns Soninha!
    Muito obrigado...
    .

    ResponderExcluir
  27. Nico, que delicadeza teu comentário! Recheado de versos e beleza da poesia. Agradeço amigo a oportunidade de ter compartilhado contigo uma noite inesquecível!
    Um abraço!

    ResponderExcluir

"A crônica é um gênero que apresenta dupla filiação, já que o tempo e o espaço curtos permitem o tratamento literário a temas jornalísticos. Tem do jornal a concisão e a pressa e da literatura, a magia e a poeticidade que recriam o cotidiano."

(Maria Lúcia da Cunha Victorio de Oliveira Andrade)
...
Grata pela visita! Você é convidado a interagir.
Abraço!

Para correio: discutindo_literatura@yahoo.com.br