sábado, 4 de julho de 2009

Tempo de edificar algum jardim

Procuramos um lugar aconchegante, uma certa cena, palavras certas, o paraíso perdido, o jardim útero, nosso Éden. Somos seres-expulsos-do paraíso, o vir-à-luz nos parece uma ameaça. Seguimos nossa caminhada agarrados nos paraísos temporários, com medo do crescimento possibilitado pelas perdas.
Há uma insatisfação constante. Andamos insatisfeitos com o paraíso que temos. De paraíso em paraíso, constatamos que paraísos terrenos não são perfeitos. Uma palavra, um gesto, uma atitude, um fato alheio a nossa vontade pode desmontar nosso paraíso definitivamente. Impedidos de voltar ao paraíso perdido, seguimos receosos diante das decisões, das escolhas a que somos impelidos. Então, ou optamos pela vida, ou pela morte. A opção pela vida cria condições para a construção do nosso jardim, onde devemos deitar sementes de fé, amor, carinho, amizade, encantamento, preciosas flores para tornar “La vita bella”.
Paraísos perdidos devem ser esquecidos, do contrário, seremos Sísifo rolando a pedra e caindo da montanha. Se alguma pétala caiu, se a rosa se recusou a oferecer suas pétalas, o jardineiro “bordacostura” aqui e ali os meandros, as mil sutilezas amorosas do existir ao ver ruindo seu investimento de ideais e esforços.
Artur da Távola já afirmou: “O homem (se) constrói o mito da perfeição pela dificuldade de aceitar a inerente imperfeição e incompletude da vida. Quanto mais o ser humano se auscute, será para defrontar-se com a impossibilidade de alguma solução pacificadora, permanentemente perfeita e acabada. Somos um fazer-se sem descanso”.Jardim é lugar onde se cultivam flores e plantas de ornato. Como é prazeroso passear num jardim bem cuidado! Como é agradável ser um jardim regado! Como é triste verificar que algumas pessoas escolhem, teimam em ser deserto! Desertos podem tornar-se jardins fecundos, almas podem ser restauradas. Há possibilidades de mudanças. Gosto das palavras edificar, reedificar, restaurar.
Elas são eficazes no combate a certos desertos: medo, insegurança, frustração, autocompaixão, mágoa, crítica, falta de perdão, ódio. Restauração é isso: tomar alguma coisa boa, que sofreu danos e estragos, lançar mão das experiências do passado, até dos fracassos, para trabalhar sua restauração, repará-la até que se torne como ela era originalmente. É quando estamos diante do desafio da remoção de coisas que se acostumaram a conviver conosco. Jardim regado precisa do Jardineiro Salvador, Consolador, Sarador, Regenerador, Restaurador. Posto que a alma humana traz muitas marcas das quais precisa se libertar. O que foi perdido no Jardim do Éden pode ser conseguido mais uma vez em Cristo. Que bênção e que privilégio caminhar diariamente com Deus agora, esperando aquele dia quando poderemos viver eternamente em sua presença, no céu!Enquanto estamos no corpo, vamos cuidar dos nossos jardins.Jardinagem requer esforço, trabalho, método,investimento. Cultivar essas tais flores pede sensibilidade, sabedoria, paciência. Esta semeadura de vida é a decisão de florescer mesmo diante dos percalços, das crises, das nossas tragédias pessoais. Jardins pedem altruísmo, reciprocidade. Jardins são submetidos a pragas, a ervas daninhas, a coaxar de sapos.
Edificar jardim requer sabedoria. A Bíblia aconselha não arrancar o joio para não danificar o trigo, deixar que cresçam juntos até a ocasião da ceifa. Tempo a ser respeitado, processo a ser cumprido. Ser jardineiro é também lidar com espinhos, ferir-se às vezes, não é só presenciar nascimentos, florações, aromas. Manhãs e adormeceres no jardim ensinam sobre a beleza de tudo. Há beleza em todas as estações. No outono, folhas secas estalam sua lucidez de ter sido folha tenra, agregada e agora colorir livremente o solo, ainda fazendo barulho.

Luciana Pessanha Pires

4 comentários:

  1. que leitura agradável minha amiga Luciana
    ouço contigo
    as folhas secas estalarem sua lucidez ...

    a vida sempre traz restaurauração aqueles que se permitem à flexibilidade...

    o jardineiro leva-me também ao nosso querido Rubem Alves
    tua escrita é irretocável um presente neste domingo , abraços

    ResponderExcluir
  2. Querida Virgínia, sempre atenciosa, delicada no trato, generosa. Muito grata. Beijos de aprendiz

    ResponderExcluir
  3. Luciana

    vc é uma FLOR da crônica

    abraço

    ResponderExcluir
  4. >
    “No mistério do Sem-Fim,
    equilibra-se um planeta.
    E, no planeta, um jardim,
    e, no jardim, um canteiro:
    no canteiro, uma violeta,
    e, sobre ela, o dia inteiro,
    entre o planeta e o Sem-Fim,
    a asa de uma borboleta.”

    Cecília Meireles

    ResponderExcluir

"A crônica é um gênero que apresenta dupla filiação, já que o tempo e o espaço curtos permitem o tratamento literário a temas jornalísticos. Tem do jornal a concisão e a pressa e da literatura, a magia e a poeticidade que recriam o cotidiano."

(Maria Lúcia da Cunha Victorio de Oliveira Andrade)
...
Grata pela visita! Você é convidado a interagir.
Abraço!

Para correio: discutindo_literatura@yahoo.com.br