sexta-feira, 14 de agosto de 2009

Livre associação; das efemeridades



Perdoem-me amigos, estou de partida, despeço-me da ausência escondida, uma pérola perdeu a cor, outrora comovida. Das areias quentes tenho saudade e só por isto movo-me em sofreguidão.
Haverá de se fazer uma estrela antiga renascer, por mais que se sinta que ela ainda vibra e, com sua luz embutida constrói-se sonhos nas noites de rede e folclórica ilusão. Creio que não renascerá mesma chama. Estamos em despedidas, dói um pouco saber que o que fomos se foi para sempre e que as sementes das chamas dormitam em lama. Hoje mais que antes sabemos da impermanência e do quanto a paisagem se transforma e, nosso rosto pede o sorriso do encanto que se foi.
Morremos a cada página escrita, a cada olá já em despedida .
Perdoem meus amigos assim como chego já parto. Também vos perdôo por viverem a efêmera sua, também vida. Que o encanto que ficou no retrato seja resguardado da dor que houve e não pode ser aliviada. Que o esplendor reine sobre desassossegos e nos abra aos momentos que ainda virão galopando miragens. Anseio ainda , dizer-vos que tal qual membrana híbrida fortaleço-me em cada despedida e, assim espero que façam e ousem adentrar a monotonia com tamanha fibra, para que sobre nós alguma sentença seja proferida; houve perseverança, lutaram e deixaram-se transformar !
virgínia fulber- RS- Brasil é terapeuta e além mar Poeta del Mundo e membro da AVBL, coordena o Canal de Filosofia do Espaço Ecos Portal VMD- vicamf@yahoo.com.br

3 comentários:

  1. Que delícia ler seus textos, minha querida! Muito grata. Beijos

    ResponderExcluir
  2. Lindo texto, Virgínia.
    Veio a mim como um doce recado...grata!
    Beijo da
    Maria Lucia

    ResponderExcluir
  3. Querida Luciana e Maria Lucia muito obrigada pela leitura e comentários estimulantes, nem sempre sabemos que o que se passa em nossa mente pode de alguma forma fazer sentido ou mesmo encontrar ressonância no leitor .
    abraços

    ResponderExcluir

"A crônica é um gênero que apresenta dupla filiação, já que o tempo e o espaço curtos permitem o tratamento literário a temas jornalísticos. Tem do jornal a concisão e a pressa e da literatura, a magia e a poeticidade que recriam o cotidiano."

(Maria Lúcia da Cunha Victorio de Oliveira Andrade)
...
Grata pela visita! Você é convidado a interagir.
Abraço!

Para correio: discutindo_literatura@yahoo.com.br