quarta-feira, 24 de junho de 2009

Entrando na Roda da Fogueira

21 junho-2007...O céu é tão lindo e a noite é tão boa, São João, São João acende a fogueira do meu coração...
Era uma noite de grandes esperanças, a fogueira ardia nos olhos sonhadores das meninas.. A linda festa Junina incluía; escrever bilhetes com nomes de pretendentes, dobrar e deixá-los descansar ao sereno... A preparação era singela e divertida; ornar cabelos com fitas, usar meias colorias, chapéu de palha, brilho nas faces, lábios rosados... A doce malícia unia corações enamoradas pela idéia do amor e das carícias ingênuas, regadas à milho assado na brasa, pipoca com melado, bandeirolas, fagueiras cantigas, tranças enfumaçadas, dedos encarvoados, mãos dadas... Meninos valentes atiçavam o fogo, bigodes forjados e paletós com retalhos coloridos os tornavam ainda mais atraentes. Uma Esperança sem receio emprestava graça aos giros das saias rodadas de chita. Confundindo- se entre as estrelas, grandes fagulhas vermelhas e os estalidos da lenha... Na alegre festa popular, crentes ou não, aos céus erguiam anseios, oriundos da paixão juvenil , alinhavados em cantorias secretas aos seres angelicais. Nem por ouro ou prata trocava-se o espetáculo; a magia da grande fogueira ! As Fogueiras eram utilizadas como meio de comunicação e, é um dos símbolos das festas Juninas. Representa o comunicado de Isabel do nascimento de seu filho João Batista à sua prima Maria( Virgem Maria) para que viesse auxiliá-la após o parto, como haviam combinado anteriormente . São João Batista o anunciador da vinda de Jesus, foi um homem simples de fé inabalável. A esperança é ainda uma característica das pessoas simples que cultivam alguns valores espirituais. As religiões tem prestado serviços na construção do imaginário popular e na formação da moralidade,mas também fonte de discórdias e ilusões, de sorte que a promessa de felicidade continua sendo colocado para além desta existência... A imanência e transcendência são complementares . Religiões e dogmas não deram conta da tarefa de um céu na terra , ou seja na pacificação dos instintos humanos...Também fomentaram guerras e ainda o fazem ,pela presença do autoritarismo implícito e a exigência do cumprimento de regras não pautadas no raciocínio. Foram perdendo espaço. O dogma exclui ! O esvaziamento das crenças não encontrou ainda substituto que venha a preencher lacunas. Para que as drogas e a guerra urbana não ganhem mais espaço é necessário mais investimento na educação e, que possam proliferar entre educadores, idealistas, poetas, cientistas e pensadores que combinem mente-ações em busca das mudanças necessárias. Estas inclem a escuta do imaginário, das diferenças para possíveis diálogos entre ciências e crenças populares e linguagens dos mitos. Como postulou Lacan o inconsciente é constituído de linguagem e, ela vive além e aquém das palavras ...

4 comentários:

  1. Virgínia, cantei com você, aquecida pelo calor da fogueira. Lindo, amiga! Grata. Beijos

    ResponderExcluir
  2. aqueces meu coração e iluminas minha mente querida amiga Luciana, muito obrigada

    ResponderExcluir
  3. Tão bem escrito seu artigo sobre São João, Vi. Informativo, inteligente e agradável de ler. Tenho boas lembranças das festas de São João que participei quando criança e adolescente aí no Brasil. Uma tradição popular que nos remete ao lado mais puro e ingênuo. Parabéns!

    ResponderExcluir
  4. fico contente amiga Chris que lembrançs boas tenha suscitado, muito obrigada querida por generoso comentário, sbraços,

    ResponderExcluir

"A crônica é um gênero que apresenta dupla filiação, já que o tempo e o espaço curtos permitem o tratamento literário a temas jornalísticos. Tem do jornal a concisão e a pressa e da literatura, a magia e a poeticidade que recriam o cotidiano."

(Maria Lúcia da Cunha Victorio de Oliveira Andrade)
...
Grata pela visita! Você é convidado a interagir.
Abraço!

Para correio: discutindo_literatura@yahoo.com.br