domingo, 5 de julho de 2009

POESIA BRASILEIRA PERDE UM DE SEUS EXPOENTES

Rodrigo de Souza Leão, um dos mais significativos poetas contemporêneos brasileiros, morre aos 43 anos, vítima de ataque cardíaco

Por Tatiana Fraga


Sites de literatura, blogues, twitter e orkut publicam notas e depoimentos pessoais sobre a morte do escritor Rodrigo de Souza Leão, conhecido pelos poetas quase sempre virtualmente, já que Rodrigo pouco saía de sua casa, e a internet foi seu principal canal de comunicação com o meio literário.

Rodrigo de Souza Leão começou a escrever aos 18 anos e publicou dois livros: Há Flores na Pele (Poesia, 2001) e Todos os Cachorros são Azuis (Prosa, 2008), além de inúmeros textos na internet. Na net, começou publicando o e-zine, Balacobaco, que circulou por quase seis anos; depois veio o site Caox, a revista Agulha, a Germina Literatura e a revista Zunái, que editava com o poeta Claudio Daniel, além de seu site pessoal, o Lowcura (www.lowcura.blogspot.com).

Rodrigo tinha diagnóstico de esquizofrenia, tema que frequentemente levava para seus textos. “Nós vivemos em tempos esquizofrênicos. Muita gente tem depressão ou síndrome do pânico. É uma sociedade que está doente porque dá valor ao que não se deve: o dinheiro. O ser humano viveria muito mais se parasse com essa babaquice de querer dominar o outro”, declarou ao site Portal Literal em novembro de 2008. Entrevistou também diversos escritores, publicando boa parte da produção da nova literatura. “Rodrigo foi um fenômeno da internet. Quase sem sair de casa, tornou-se conhecido no meio literário por aproximar os escritores e as tendências mais diversas. A literatura brasileira fica menos solidária, menos generosa e muito mais triste”, lamenta o poeta Frederico Barbosa.

Rodrigo de Souza Leão dizia que torcia para que existisse algo depois da morte “para ver o que as pessoas acham de mim quando eu estivesse morto. Para saber se meu melhor amigo iria chorar, se alguma namorada ia lembrar de mim, se meu livro ia vender depois de morto... Porque depois que morre todo escritor vende”. Sobre os livros, não sabemos, Rodrigo, mas seus amigos estão chorando.


Depois da morte
Se pudesse decidir pra onde ir
Riria



HOMENAGEM

A Casa das Rosas fará uma homenagem ao poeta no dia 09 de julho, quinta-feira, às 19 horas.

Com a presença dos poetas Claudio Daniel, Horácio Costa, Virna Teixeira, Frederico Barbosa, Marcio-André (RJ), Leonardo Gandolfi (RJ), Franklin Alves (RJ) e todos que quiserem participar. Venha!

Casa das Rosas
Espaço Haroldo de Campos
de Poesia e Literatura

Av. Paulista, 37 - Bela Vista
CEP.: 01311-902 - São Paulo - Brasil
(11) 3285.6986 / 3288.9447
contato.cr@poiesis.org.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário

"A crônica é um gênero que apresenta dupla filiação, já que o tempo e o espaço curtos permitem o tratamento literário a temas jornalísticos. Tem do jornal a concisão e a pressa e da literatura, a magia e a poeticidade que recriam o cotidiano."

(Maria Lúcia da Cunha Victorio de Oliveira Andrade)
...
Grata pela visita! Você é convidado a interagir.
Abraço!

Para correio: discutindo_literatura@yahoo.com.br